Novembro Azul – Câncer da Próstata tem cura

Urologista alerta para a necessidade de exames periódicos para prevenção e início do

tratamento logo após o aparecimento da doença, aumentando as chances de cura total

 

 

 

Francisco Netto | dcm.H

 

O conceituado urologista, Dr. Alex Nunes Saurin, aproveita a ocasião em que se comemora o Novembro Azul, para alertar aos homens sobre a importância de se fazer a prevenção contra a doença.

A campanha de conscientização é realizada por diversas entidades no mês de novembro dirigida à sociedade e, em especial, aos homens, para conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

O movimento surgiu na Austrália, em 2003, chamado Movember, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado a 17 de novembro. No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o objetivo de quebrar o preconceito masculino de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque, e obteve ampla divulgação.

Tão temido entre os homens, o câncer de próstata se diagnosticado precocemente pode ser curado. Talvez por medo, receio da dor, vergonha, falta de instrução ou devido àquelas famosas piadinhas em uma rodinha de amigos, muitos homens ainda deixam de realizar o exame de toque, detector do câncer de próstata.

O preconceito manifesta-se de tal modo na sociedade que a doença representa um sério problema de saúde pública no Brasil, em função de suas altas taxas de incidência e mortalidade, decorrente do retardo do diagnóstico.

Grande parte dos homens que se negam a realizar esse tipo de exame não sabe o que é e nem onde se localiza a próstata. Como explica o Dr. Alex, a próstata é uma glândula localizada na saída da bexiga, que contribui para a formação do líquido seminal (a maior parte do líquido liberado na ejaculação).

A partir dos 45 anos, dois processos diferentes podem acometer a próstata. O primeiro deles é a hiperplasia, um crescimento benigno da próstata que causa sintomas urinários, como: acordar várias vezes à noite para urinar, ir ao banheiro várias vezes ao dia, esforço para conseguir urinar, gotejamento no final, dor abdominal, entre outros. Esses sintomas podem acarretar futuros problemas decorrentes da obstrução da urina, por exemplo: insuficiência renal, “pedra” na bexiga e hérnia.

O segundo processo é o câncer de próstata, que se manifesta principalmente em sua parte periférica, longe da uretra, portanto, em sua fase inicial, não causa quaisquer sintomas. “É preciso estar atento, pois quando descoberto precocemente, o tumor da próstata pode ser curado na grande maioria dos casos”, afirma o Dr. Alex.

Essa avaliação deve ser realizada através de exames laboratoriais e físicos. Os exames laboratoriais consistem em analisar a dosagem do PSA – Antígeno Prostático Específico – presente no sangue. Esta é uma proteína produzida pela próstata que pode aumentar em casos de infecção, inflamação ou câncer e indica possíveis anormalidades no sistema.

Os exames físicos compreendem o famigerado toque retal, que dura apenas 5 (cinco) segundos. Esse é o método mais comum e eficaz para a detecção do problema, pois a zona periférica da próstata tem contato íntimo com o reto intestinal e assim, pequenos tumores – menores que 1 centímetro – podem ser descobertos antes do PSA aumentar.

“Essa avaliação deve fazer parte da rotina de homens após 45 anos e em pacientes com histórico familiar a partir dos 35 ou 40”, revela.

Os dois tipos de exames devem ser feitos em conjunto anualmente, para cobrirem possíveis falhas diagnósticas e tornarem a avaliação prostática mais precisa. Caso o PSA ou o toque esteja alterado, deverá ser realizada a biópsia da próstata para confirmar a existência do câncer, orienta o Dr. Saurin.

É fundamental esclarecer “psicologicamente” o homem menos esclarecido da importância do exame de toque. “A ignorância aumenta o medo de diagnosticar a doença. Fechar os olhos para o problema só piora o seu tratamento e o sofrimento causado ao paciente. É necessário que esposa, filhos, amigos e vizinhos bem informados encaminhem esses homens para o exame, a fim de que novas vítimas do preconceito não paguem pela imprudência o valor de suas vidas”, alerta o Dr. Alex Saurin, da Policlínica Totalvida, à AL. Navarro de Andrade nº 696, centro, telefone (18)3521-2690 e Celular (18) 99821-1582.

 

Foto: Nany Carrara